• Renato Leal

Uma Mente Deludida

Uma mente deludida está por trás de uma mente sem paz



Há momentos na nossa vida que estamos inseguros, infelizes, com a mente turva e descontrolada. Brigamos por qualquer coisa, agimos de uma forma que nada tem a ver com a nossa forma de ser.


Ficamos perplexos quando a nossa mente acalma, e não nos reconhecemos nos atos praticados, no que pensamos e naquilo que dissemos. E o mal já foi feito, às vezes sem mais conserto. Sempre havendo, é claro, a possibilidade do perdão.


O que está por trás disto é a nossa mente descontrolada – que mais parece com um galinheiro cheio de galinhas assustadas – contaminada pela raiva e ansiedade. Uma mente autocentrada, que não consegue olhar além do nosso umbigo. Carregada de apego e desassistida pelo amor e pela confiança em si.


Quem já não agiu com a mente neste estado e depois se arrependeu? Quem não destruiu relações, inclusive consigo próprio, provocando verdadeiras tragédias? Ou que sob este efeito, resvalou para uma profunda depressão.


É sempre assim que geramos uma crise, com uma mente que foi contaminada por no mínimo uma destas delusões: a raiva, o apego, a ignorância do agarramento ao em si, e uma mente egóica.


É na nossa mente que devemos focar se quisermos viver em paz. Conosco e com as pessoas que estão ao nosso redor.

Posts recentes

Ver tudo

Escrevo, não para convencer ninguém, mas sim porque gosto, me ajuda a pensar, a organizar as minhas ideias e opiniões e internalizá-las. Não escrevo porque acho que estou certo e muito menos por pretensões literárias. Apenas quero uma referência para fazer crescer as minhas convicções, ou para saber quando, e porque, mudo de opinião. Para tentar visualizar o futuro e olhar para trás com consistência e visão crítica.

Escrevo também, para que aqueles que discordam das minhas opiniões tenham mais uma oportunidade para pensar e ter convicções sobre o que pensa. Ou não. E para os que concordem, saibam que não estão sós no mundo.

 

E, finalmente, lembro que quem escreve é refém do momento, das informações que dispõe, e de como é e pensa, neste mesmo momento.

 

Renato Leal