• Renato Leal

Trilha na Serra de Sintra



A primavera já tinha chegado, mas recuou. Hoje, voltou a dar o ar da sua graça, com um tempo ainda fresco, que me convidou a passear. E um sol indescritível dando espaço para esse lindo céu azul de Portugal.


Foram 15 kms de caminhada, com paradas para apreciar a beleza incontornável deste lugar. Os sons dos pássaros a cantarem, a beleza do céu, um verde oliva da vegetação da serra que serve de fundo ao pipocar alegre das flores silvestres e daquelas que a mão do homem plantou. Um gato que resolveu se aproximar e fazer evoluções com uma intimidade de quem já me conhecia de outras jornadas. E um detalhe de alguns cogumelos exóticos no pé úmido de uma árvore.


Lindas casas, estradas sinuosas, trilhas íngremes e maravilhosas locais para simplesmente se sentar e agradecer. Miradouros com vista mar para se sentar e meditar. As fotos não registraram tudo.


Pelo tempo que fiquei fora da Quinta, daria para fazer uns 20 kms de caminhada. As paradas me roubaram quilômetros, e deram momentos da mais rara beleza. Do mais puro prazer.


E fechou com um lindo pôr do sol.


Já sabia o porquê na nossa Aldeia se chamar Penedo. Hoje aprendi, nesta primeira primavera que passeio por cá, porque se chama também, Aldeia do Espírito Santo.

Como gosto dos domingos no Penedo.


RL


Aldeia do Penedo 2abr17


Fotos: Renato Leal

Escrevo, não para convencer ninguém, mas sim porque gosto, me ajuda a pensar, a organizar as minhas ideias e opiniões e internalizá-las. Não escrevo porque acho que estou certo e muito menos por pretensões literárias. Apenas quero uma referência para fazer crescer as minhas convicções, ou para saber quando, e porque, mudo de opinião. Para tentar visualizar o futuro e olhar para trás com consistência e visão crítica.

Escrevo também, para que aqueles que discordam das minhas opiniões tenham mais uma oportunidade para pensar e ter convicções sobre o que pensa. Ou não. E para os que concordem, saibam que não estão sós no mundo.

 

E, finalmente, lembro que quem escreve é refém do momento, das informações que dispõe, e de como é e pensa, neste mesmo momento.

 

Renato Leal