• Renato Leal

Água não é só para matar a sede



A água que bebemos não é só para matar a sede e hidratar o corpo. Ela é um importante alimento que colocamos – ou que devíamos colocar – diversas vezes para dentro do nosso organismo. Além disso, é uma forma de contrabalançar a acidez da nossa alimentação desregrada, se tivermos a atenção de escolher aquelas com o PH mais elevado. Um corpo com PH neutro, em torno de 7,3, é um corpo saudável e forte diante dos fungos, bactérias e vírus. Pelo peso no nosso composto alimentar, devemos sim evitar todas as águas com PH abaixo de 7,0.


São muito ricas nos minerais que andam a faltar também em nossa alimentação diária. Entre outros, sílica, manganês, cobre, cálcio. E alguns que fazem mal, se em excesso, como o sódio. Daí a dica de comprar água de fontes diferentes, diversificando estes minerais.


Antigamente ela vinha de fontes naturais, não contaminadas. Hoje temos que bebê-la de vasilhames, se não estivermos em Países desenvolvidos que entregam água na torneira em condições ideias de ingestão.


Ela hidrata e ajuda a limpar o nosso organismo. Equilibra a temperatura do nosso corpo. Quando a sede bate, já estamos atrasados na sua ingestão.


Há muitas perguntas: (1) Quantos litros devemos beber? Ora, depende do nosso tamanho e peso, do que andamos a fazer e da temperatura e umidade do ambiente em que estamos a viver. (2) Quando? Diversas vezes durante o dia, mas nunca nas refeições. E sempre, quando a opção for sucos açucarados, cheios de químicos e refrigerantes (3) Qual a temperatura? Recomenda-se natural, para o bem da digestão, principalmente das gorduras ingeridas.


Temos que ter atenção com a água que colocamos nos nossos alimentos: nas sopas, no arroz e no feijão. Uma boa água, de PH elevado, ajudará a subir o PH do que ingerimos melhorando a nossa saúde.


Uma água de qualidade, deve ser passada no nosso rosto e cabelo, principalmente nos dias secos e com muita transpiração.


Hoje é o dia da água, numa perspectiva mais ambiental. O cuidado com ela, que já vem tarde, não deve ser relegado. Mas neste texto quis explorar o que ela representa para nós. Dos insumos externos só a falta de ar mata primeiro. De insumos que pomos para dentro, novamente só ar vence em volume. É hora de prestarmos mais atenção a água que bebemos.


RL

Aldeia do Penedo 22mar17

Escrevo, não para convencer ninguém, mas sim porque gosto, me ajuda a pensar, a organizar as minhas ideias e opiniões e internalizá-las. Não escrevo porque acho que estou certo e muito menos por pretensões literárias. Apenas quero uma referência para fazer crescer as minhas convicções, ou para saber quando, e porque, mudo de opinião. Para tentar visualizar o futuro e olhar para trás com consistência e visão crítica.

Escrevo também, para que aqueles que discordam das minhas opiniões tenham mais uma oportunidade para pensar e ter convicções sobre o que pensa. Ou não. E para os que concordem, saibam que não estão sós no mundo.

 

E, finalmente, lembro que quem escreve é refém do momento, das informações que dispõe, e de como é e pensa, neste mesmo momento.

 

Renato Leal